gustavo francesconi

Reúne práticas que se atravessam. Dialoga através do som construindo ambientes sinestésicos para ações performáticas. Via códigos sonoros e frequências do redor busca materializar luz em uma nova esfera de linguagem.

Segundo Clélia Dehon, mediadora cultural da Fundação Louis Vuitton, é num universo hipnótico, com traços do pop, exótico quase psicodélico que descobrimos seu trabalho. Investiga sobre aspectos cosmológicos, sensoriais e físicos da matéria.

Em sua poética, reflexo das práticas, a escolha de materiais é significante da variedade de interesses. Compreende a sintaxe visual como algo universal e explora essencialmente cores, formas, vibrações cromáticas em uma trilha transdisciplinar entre técnica e poética, levado por bases prática-teóricas da ciência e da semiótica.

Diretor do studio criativo APOC em Curitiba.

APOC05.jpg